Logo do Blog Aegro
Blog da Aegro para negócios rurais
Lavoura de cevada, com espigas em foco

Como cultivar e garantir lucros com a cevada como cultura de inverno

- 15 de dezembro de 2021

Cevada como cultura de inverno: conheça a importância, onde e como cultivar, nutrição, manejo de pragas, doenças, daninhas e muito mais!

O cultivo da cevada vem ganhando força na safra de inverno, como fonte de renda alternativa.

Essa espécie ainda é pouco explorada, mas tem grande potencial econômico.

Antes de cultivar, saber como evitar as doenças das culturas de inverno e fazer o manejo correto é essencial. Assim, você garante a produtividade do grão.

Neste artigo, você saberá mais sobre como cultivar o grão e terá muitas outras informações. Confira!

Características gerais da cevada 

A cevada é uma planta típica de inverno.

Ela precisa de períodos frios para se desenvolver, e não se adapta a qualquer região. A região Sul do Brasil possui os requisitos ideais para o desenvolvimento da cevada.

O período de cultivo no Sul é entre junho e novembro. Em São Paulo, Goiás e Minas Gerais, pode ser produzida entre maio e setembro.

A germinação leva de um a três dias, e o ciclo total dura 110 dias.

Foto aproximada de espigas de cevada na lavoura

Espigas de cevada com aquênios ovalados

(Fonte: Embrapa)

É uma das culturas mais cultivadas no mundo, com área plantada de mais de 50 milhões de hectares.

Para 2021, há expectativa de produção de 430 mil toneladas de grãos

A planta é utilizada principalmente como:

  • fonte de nutrientes para animais (forragem e ração);
  • alimentação humana (farinha);
  • matéria-prima da indústria cervejeira (malte).

No Brasil, a malteação é o principal uso e o maior potencial econômico da cevada. Afinal, o país produz 30% da demanda da indústria cervejeira.

Cevada como oportunidade de renda

A produtividade da cevada gira em média de 4000 kg/ha. Há um potencial produtivo de mais de 5000.

Segundo pesquisador da Embrapa trigo, os preços podem variar de 120% a 135% do preço do trigo pão quando houver boa qualidade de grãos.

A rentabilidade tende a aumentar se houver mais de 85% dos grãos na classe 1. Além disso, deve chegar a 150% a mais que o preço do trigo.

O Brasil é um dos maiores mercados consumidores de cerveja no mundo. Por isso, absorve cerca de 70% dos grãos para malteação.

Foto de grãos de cevada maltados. Dos grãos, saem pequenos fiapos claros.

Grãos de cevada maltados

(Fonte: HominiLupulo)

Quando não atende à demanda das cervejarias, a cevada é destinada para ração animal. Essa indústria absorve 30% da produção.

A cervejaria Ambev, uma das maiores do mundo, anunciou em 2021 que incentivará a produção de cevada em Santa Catarina.

A empresa fornece a semente e possui contratos de venda garantida para o produtor. 

A expectativa da empresa é haver oferta de 2000 hectares nos próximos anos. Isso é muito mais que os atuais 500 hectares aproximados.

Por ser um mercado pouco explorado, o cultivo da cevada pode te render grandes lucros. Além disso, a cultura trará benefícios à sua lavoura, como a proteção do solo no inverno. 

Cultivo da cevada como cultura de inverno

Cultive a cevada nas estações mais frias (outono e inverno).

Planeje a sua safra de acordo com as perspectivas para a lavoura. A cevada para grãos ou para malte requerem algumas particularidades.

De acordo com o zoneamento agroclimático, a cevada de sequeiro para malte é produzida em:

  • Santa Catarina;
  • Paraná;
  • Rio Grande do Sul.

O cultivo sob irrigação é indicado para os estados:

  • São Paulo;
  • Minas Gerais;
  • Goiás;
  • Distrito Federal.

Semeadura

Semeie em solo com pH e nutrientes corrigidos de acordo com a recomendação regional. Dê preferência para o sistema de plantio direto.

Utilize densidade de semeadura para estabelecer uma população de 250 plantas/m², ou 2.500.000 plantas/ha. O espaçamento entre linhas deve ser entre 12 cm e 20 cm.

Foto aproximada de plântulas da cevada na lavoura, sobre palha.

Plântulas de cevada na lavoura

(Fonte: Embrapa)

Uma cultivar com alta capacidade de perfilhamento pode ser plantada com até 30 cm com a mesma densidade de plantas.

Utilize a profundidade de 3 cm a 5 cm, depositando as sementes uniformemente.

Nutrição

A cevada é suscetível à acidez. Utilize calcário para elevar o pH do solo para 5,5 – 6,0. Essa prática também coloca cálcio e magnésio no solo.

A dose de nitrogênio varia de acordo com a quantidade de matéria orgânica no solo. Ela também varia de acordo com a cultura anterior e expectativa de rendimento.

Aplique entre 15 kg e 20 kg de nitrogênio por hectare na semeadura. O restante deve ser aplicado em cobertura no estádio entre afilhamento e alongamento. 

Reduza a dose de cobertura em cultivares suscetíveis ao acamamento.

Doses maiores que 40 kg de nitrogênio por hectare podem ter a cobertura dividida em duas: 

  • no início do afilhamento;
  • e o restante no início do alongamento.

É necessário usar redutor de crescimento em alguns cultivares. Aplique dose de 0,4 L/ha do produto Moddus quando visualizar o primeiro nó no colmo principal.

As quantidades de fósforo e potássio são determinadas em função de dois fatores: 

  • seu teor no solo;
  • expectativa de rendimento da cultura.

Faça a interpretação da análise de solo e considere aspectos financeiros para determinar a dose e fontes de fósforo e potássio utilizar.

Manejo integrado

Dê preferência a áreas sem gramíneas no último ano, com prática do manejo integrado de pragas, doenças e plantas daninhas.

Quando for escolher a sequência de espécies para usar na rotação de culturas, considere:

  • Aspectos técnicos: fertilidade exigida, suscetibilidade a pragas e doenças, controle de plantas daninhas, disponibilidade de equipamentos adequados;
  • Aspectos econômicos: expectativa de produção, custo de produção e preço de venda.

No sul do Brasil, as espécies recomendadas para um período de três anos envolve a sequência (cultura de inverno/verão): 

  1. aveia/soja;
  2. cevada/soja e leguminosa;
  3. nabo forrageiro/milho.

Com a rotação de culturas, haverá menor incidência de doenças, pragas e daninhas para todas as espécies da sequência.

Controle de daninhas na cevada

Quando a infestação exigir o controle químico das plantas daninhas, lembre-se de fazer a limpeza do pulverizador agrícola. Use todos os equipamentos de proteção individual.

Use entre 100 L e 150 L de calda por hectare. Os bicos devem se adequar às condições ambientais locais.

Veja a seguir os herbicidas recomendados para a cevada:

Tabela com nomes de herbicidas indicados para o controle de daninhas na cevada

Herbicidas indicados no controle de daninhas na cevada

(Fonte: Embrapa)

Controle de pragas

Pulgões, lagartas e corós são as pragas mais comuns. Elas podem reduzir a produção de grãos.

Faça o Manejo Integrado de Pragas adequadamente para a população não atingir o nível de dano econômico. Utilize o controle biológico sempre que possível.

Caso a população de pragas exija o controle químico, use produtos indicados para a cultura. Estes produtos estão disponíveis no site Agrofit, do Ministério da Agricultura.

Controle de doenças

Diversas são as doenças que afetam a cevada. Fique de olho e faça monitoramento periódico na lavoura.

As melhores estratégias de controle são:

  • rotação de culturas;
  • eliminar plantas voluntárias e hospedeiros secundários;
  • usar sementes sadias e tratadas;
  • optar por cultivares resistentes;
  • usar produtos biológicos
  • aplicar fungicidas específicos.
e-book culturas de inverno Aegro

Conclusão

A cevada deve ser cultivada nos meses mais frios.

Ela pode ser uma boa fonte de renda para a sua propriedade, com bons preços de venda.

Os grãos são destinados principalmente à indústria cervejeira, mas também para outras finalidades.

Por isso, se você busca uma opção para a entressafra, vale a pena considerar a cevada.

Restou alguma dúvida sobre porque a cevada como cultura de inverno é uma grande oportunidade de negócio? Deixe sua dúvida ou conte sua experiência nos comentários!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.